22 set 2017

32 Primaveras

Chegou mais um dia 25 de setembro e mais um ano de vida se passou. Ano este que se tornou um peso e um alívio. Não foi fácil, mas quem cresce e aprende sem passar por dificuldades, não é mesmo? Alguns sonhos foram despedaçados como vidro, em mil pedaços, dando espaço a outros. Eu tenho noção da força que tenho e não me surpreende mais a forma como me reergo e encaro a vida novamente, de pé, cabeça erguida.

Tentei me segurar onde não havia apoio. Fiz das tripas coração por tudo e todos enquanto me ignorava e abria mão de valores, enquanto as expectativas se tornavam cada mais mais distantes… Me anulei. Como não percebi que estava tudo de cabeça pra baixo? Os olhos estavam fechados e o coração virou pedra (de gelo). Cada dia nascia pra eu superar o que ia acontecer de ruim, as decepções. Todos os dias novas formas de ter o coração partido. Nunca imaginei que fosse suportar tanto. As palavras, as conversas no whatsapp, os prints guardados pra ler todos os dias. A ferida precisava ficar aberta. Alguns chamaram de tortura e eu realmente não sei o que eu estava fazendo, mas não queria e não me permiti esquecer, eu precisava lembrar de cada ferida que existia em mim e que ninguém se propôs a curar. Até quanto a gente aguenta sofrer? Eu descobri.

Eu vivi esse ano intensamente. Tudo de bom e de ruim aconteceu, foi incrível em todos os sentidos. Minha família superou tantos obscáculos e eu fiz o possível pra estar presente. Eu superei tudo e me superei, estou feliz com quem sou hoje e com a resolução que cheguei em mais essa reta final, completando mais um ano de vida. No final eu olho pra trás e tenho a consciência tranquila que fiz o melhor pra todos.

Eu sou uma pessoa boa, meu coração é imenso, eu não quero mudar e espero contagiar as pessoas ao meu redor dessa forma. Sei que tive meus baixos nos últimos meses e não fui boa companhia pra muitos, mas contei também com a compreensão e empatia daqueles que me amam.

Eu agradeço muito pelas pessoas que estão, entraram e saíram da minha vida até hoje e principalmente nos últimos tempos. Valeu! Nessa altura da vida as coisas não estão do jeito que eu esperava, mas sim do jeito que devem estar. As coisas acontecem como tem que acontecer. A palavra do meu último ano é Resiliência.

Juliana Urquisa Postado por Tags:
1 Comentário

1 Comentário em "32 Primaveras"

  1. Dany disse:

    Ju com lagrimas que finalizo lendo o seu texto… Você é simula pessoa boa e nem nos meus melhores sonhos aparece alguém igual a você e por mais que não estamos juntos todo o tempo, eu sei da nossa amizade e você sempre pode contar comigo desde do dia que eu te conheci pela primeira, não sei se nessa vida ou em outras…
    Nossa trip sem fronteiras vai rolar… ♡