Viagem para Buenos Aires

Fizemos nossa primeira viagem internacional em dezembro do ano passado e o lugar escolhido foi a Argentina! Engraçado como alguns destinos na América do Sul possuem custos mais baixos do que muitos dentro do Brasil. Sempre quis viajar pra fora do país, e aproveitei a oportunidade pra tirar o passaporte e ter meu primeiro carimbo.

Fizemos tudo pra tornar a viagem o mais econômica possível. Pegamos as passagens mais baratas (tipo Light) sem despache de bagagem, por isso levamos só o essencial em mochilas de costas. Na volta foi um pouco difícil enfiar as lembrancinhas na mochila, mas deu tudo certo. Só são permitidos 2 volumes por pessoa e essa regra foi mais rígida na volta, no aeroporto de Ezeiza, do que saindo do Brasil.

Tivemos muita sorte com o apartamento alugado no AirBnb. O dono era um amor e deixou a gente se organizar de meio dia (o check-in era à partir das 15:00) porque o apartamento estava livre, além da localização excelente, na Avenida Viamonte, bem no centro de Buenos Aires. Conseguimos ver quase todos os pontos turíscos apenas andando ao redor. Cansativo, mas prático! Paradas de ônibus pra todos os lugares por perto também. Só andamos de taxi pra vir e ir pro Aeroporto.

Comprei um livro com os principais pontos turísticos da cidade e um mapa super completo que usamos pra todo lugar que fomos.

Lonely Planet Buenos Aires
2ª Ed. 2015
R$ 34,90

Saraiva

Clica nas fotos que elas aumenta 😉

Dia 1 (13 de dezembro)

Viagem Recife – Buenos Aires com escala em Guarulhos. Chegamos no aeroporto Ezeiza e chamamos o taxi via whatsapp usando a wi-fi do aeroporto. Trocamos 800 reais para pesos dentro do próprio aeroporto. Levamos 1 hora pra ir do aeroporto pro apartamento. Apesar de estar chovendo muito, não haviam pontos de retenção de trânsito por causa da chuva e alagamentos. A cidade é bem limpa e nenhuma rua estava alagada.

Chegamos no apartamento, deixamos as malas e fomos almoçar no restaurante italiano Brocollino. A opção vegana era um macarrão com funghi e tomate seco, delicioso! A conta deu pouco mais que 500 pesos (cerca de 100 reais) nos 2 almoços, 2 refrigerantes e entrada com pães e pesto.

Uma coisa interessante é que todas as refeição têm a entrada e ela não é “cobrada”. Na verdade o valor da entrada está embutido nos demais pratos. Não é como no Brasil que você paga a entrada e precisa pedir, ou só paga se consumir.

Descansamos e dormimos a tarde toda, porque estava chovendo HORRORES e estávamos bem cansados da viagem. De noite terminamos saindo pra ir num Express (loja menor do Carrefour que tinha na esquina) e compramos algumas coisas pra deixar no freezer. A variedade de produtos veganos mesmo num supermercado pequeno me surpreendeu! Tinha snacks, hambúrguer, empanados, tofu! Jantamos na cafeteria Pani que tem muitas opções veganas.

Relampejou como eu nunca tinha visto antes durante a noite inteira. Estávamos com medo da tempestade durar muitos dias e atrapalhar tudo, mas no dia seguinte o céu começou a clarear e abriu completamente de meio dia.

Dia 2 (14 de dezembro)

Primeiro dia oficial da tour! Visitamos vários pontos turísticos perto do apartamento. Fomos para a Praça de Maio e de lá começamos a conhecer os lugares e fotografar. Conhecemos a Catedral que possui uma arquitetura incrível por fora e por dentro, a Casa Rosada e na volta fotografamos no Obelisco onde tem as iniciais da cidade “BA”.

A Praça de Maio é o principal centro político da cidade e lá ocorrem várias manifestações e protestos. Sempre tem faixas e grupos protestando.

A catedral metropolitana é incrível por dentro.

Voltamos pro apartamento e cozinhamos um macarrão pré-cozido que compramos no supermercado. Comi com um empanado de legumes vegano e molho de tomate.

De tarde fomos andando para o bairro de San Telmo, cerca de 2km de distância do apartamento. No caminho paramos na Ponte de La Mujer pra fotografar e aproveitamos e conhecemos o Porto Madero que me lembrou bastante o Recife Antigo. Tem muitos restaurantes e museus em barcos. Conhecemos o mercado público de San Telmo e tiramos fotos com a Mafalda! O bairro é super fofo e com casinhas bem vintages. O mercado é gigante e bem bonito por dentro, vende de tudo! Comida, coisas antigas, etc.

Jantamos uns salgados de uma barraquinha nativa que tinha do lado do apartamento.

Dia 3 (15 de dezembro)

Descansamos durante a manhã porque no dia anterior andamos muito e ficamos muito cansados, rs. Nesse dia planejamos descer o mapa e ir para lugares mais longe. Pra isso compramos um cartão de passagem numa banca de revistas e apenas 1 cartão serviu pra nós 2. Eu ia comprar 2, mas o vendedor foi bem honesto e explicou que não era necessário. O cartão custou 80 pesos (cerca de 8 reais) e veio com 2 passagens. Recarregamos no Express do Carrefour.

Pegamos um ônibus para o Caminito, onde almoçamos. Não lembro o restaurante, mas comi um hambúrguer vegano com batata frita e uma cerveja artesanal maravilhosa. O restaurante tinha tango ao vivo e o atendimento foi um amor. O Caminito é um passeio bem legal pra se fazer, eu realmente queria muito conhecer. Super colorido, cheio de gente, restaurantes, apresentações de tango! ADOREI tudo!

De lá andamos mais um pouco pra chegar no estádio do Boca Juniors, o La Bombonera. Pagamos pra fazer o tour simples, com acesso ao museu e à arquibancada, custou cerca de 180 pesos por pessoa (40 reais). Valeu a pena, pois como já estávamos bem cansados de andar, acho que o passeio mais longo não aproveitaríamos direito. O museu é bem bacana e completo pra quem gosta de futebol. Lá dentro vende alguns souvenirs, porém não compre dentro, na lojinha que fica em frente ao estádio e de esquina é tudo bem mais barato! Compramos ímãs de geladeira, chaveiros e cordinha pra chave por lá, custaram cerca de 2 reais cada.

Voltamos e jantamos numa pizzaria perto do apartamento que não lembro o nome. Opções veganas estão sempre inclusas no cardápio, achei bem fácil de me alimentar.

Dia 4 (16 de dezembro)

Último dia! Nossa, como estávamos cansados, rs. A gente chegou nesse dia concordando que o tempo da viagem foi perfeito, mais que isso seria excesso. Ficamos tranquilos pela manhã e saímos após o almoço, dessa vez pra subir o mapa.

Pegamos um ônibus e descemos no cemitério da Recoleta, um dos pontos obrigatórios. Esse cemitério é uma obra de arte pelas incríveis tumbas. Ele recebe visitantes de todo o mundo também porque é nele que está sepultada a Eva Perón.

De lá andamos até a Florális Genérica, a flor de metal gigante que fica dentro de um lado. É realmente linda!! No caminho havia essa ponte pra travessia de pedestres e a vista era massa.

Pegamos outro ônibus no mesmo ponto pra continuar a subir o mapa e descemos na altura do Planetário. Nesse local conseguimos ver vários pontos: Planetário, Jardim Japonês e Rosedal.

Planetário foi um passeio incrível! Pagamos alguns pesos (não lembro, mas foi barato) pra assistir a apresentação que acontece de meia em meia hora. Não pode fotografar nem filmar dentro.

Muitas famílias ficam na grama em frente ao Planetário fazendo piquenique e tomando chimarrão.

Um dos passeios que eu mais queria ir era o Jardim Japonês! Lá também paga pra entrar, acho que foram 120 pesos por pessoa (uns 12 reais). O jardim é muito bem cuidado e encantador.

E finalmente e não menos importante (rs), chegamos no Resedal. Um parque de flores gigante. Coisa de cinema!

No Rosedal são encontrados todos os tipos de rosas e flores. Algumas que eu nunca tinha visto antes. São campos enormes com flores, árvores e árvores. Campos abertos, lagos pra pedalinho. Tinha muita gente fazendo piquenique lá também. Um excelente passeio pras crianças.

Esse foi o último ponto que vimos em Buenos Aires e infelizmente estávamos tão exaustos que terminamos nem aproveitando muito. O bom de termos andado a pé ou de ônibus ajudou muito na parte financeira e apesar do cansaço, eu faria tudo de novo!

Depois do parque das rosas pegamos um ônibus voltando pro apartamento e arrumamos as malas com aquela sensação de que vimos tudo o que queríamos 🙂

Dia 5 (17 de dezembro)

Chamamos o mesmo taxista pra nos levar ao aeroporto e na volta pra casa foi bem mais cansativo porque a escala era de 3 horas. Durante a escala em Guarulhos foi horrível, aeroporto totalmente desorganizado, mudou o portão e não avisou, ficamos perdidinhos! Muita gente perdendo voo por falta de informação das companhias aéreas. Ainda ficamos num local sem ar-condicionado e entupido de gente, quase não tinha onde sentar :~

No final deu tudo certo e conseguimos chegar em Recife era quase meia noite.


Custo

Apartamento: O apartamento do AirBnb custou R$579,80 pra 4 diárias.
Passagem aérea: A passagem pela Gol custou R$ 1.100,00 por pessoa sem bagagem.
Dinheiro pra gastar lá: Gastamos R$ 800,00 entre ingressos pros lugares, lembrancinhas e alimentação.

Abaixo o anúncio do apartamento que pegamos no AirBnb:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.