Arquivo da categoria 'Blog'

25 jan 2018

O que é mais importante: o esforço ou o talento?


Daniel Dias, o maior medalhista brasileiro em Jogos Paralímpicos. (Foto: Buda Mendes / CPB)

PARANDO PRA PENSAR sobre o quanto o esforço sobrepõe o talento

Próxima semana estarei retornando à prática da natação, algo que parei há aproximadamente uns 6 meses atrás. A natação era algo que sempre imaginei que fosse morrer e jamais praticaria, acima de tudo pelo meu desconforto em ambientes aquáticos. Apesar de sobreviver tranquilamente na água enquanto os pés não tocavam o chão, nunca me senti confortável, seja porque durante a infância sempre me puseram medo, seja por sustos que tomei, seja porque nunca tive o controle da respiração dentro d’água, ou simplesmente porque nunca fui bem apresentado a esse contexto, nunca fui bem adaptado a ele, enfim, inúmeras variáveis.

Naquela época (há aproximadamente 6 meses) passei por um trabalho muito duro comigo mesmo, primeiro de adaptação à água, uma vez que essa atividade era algo novo pra mim, e segundo pela adaptação cardiorrespiratória e muscular que eu precisava adquirir o mais rápido possível, uma vez que estava treinando para um Teste de Aptidão Física (TAF) para aprovação em concurso público.

No primeiro dia da natação, eu tinha a certeza de que não apenas seria a aquisição de uma nova técnica, mas uma transformação. Primeiramente, de que eu estaria ultrapassando uma limitação minha, aprendendo algo novo, aumentando meu repertório e, mais do que isso, impondo ao meu próprio corpo novos limites, dizendo para ele: “Olha, agora você vai ter que ser capaz de fazer isso, isso e isso. Problema seu! Te vira!”. E a partir daí eu fui trabalhando os fundamentos, juntamente com o professor e colegas da turma mais experientes. Eu ouvia atentamente as orientações do professor e observava os colegas nadando como uma caça observa sua presa, como se nada mais houvesse em sua visão periférica.

Engraçado como na prática da natação, ou de qualquer outro esporte, ou de qualquer outra coisa na vida, a gente pode ver uma associação. O meu problema, a priori, era trabalhar a respiração dentro da água, de modo que você faça a submersão de forma confortável, sem entrar água no nariz, sem afobação, emergindo em seguida, inspirando e voltando à submersão. No começo, algo que parece extremamente simples, era bem difícil pra mim.

E como nadar na técnica correta sem nem ainda ter o controle da respiração? É possível? Claro que não. Mas nós, talvez por vaidade, às vezes trocamos a ordem do processo. Era mais importante chegar do outro lado da borda no menor tempo possível do que me preocupar com a frequência e técnica de respiração lateral somada aos movimentos de braçadas e pernadas. Tudo bem, eu chegava do outro lado da borda, mas morto, porque não respirei adequadamente, porque fiz esforço demais por não utilizar a técnica aprimorada, e assim continuei por alguns dias de treino.

Até que, depois de algumas aulas, eu refleti sobre o que era mais importante: a técnica e a resistência ou apenas a velocidade (o chegar do outro lado da borda)? E, pensei: “o que é que eu estou fazendo aqui? Tá tudo errado!” Engraçado que logo após esse pensamento, eu me deparo com a frase de Paulo Coelho: “Mude. Mas com calma, porque a meta é mais importante que a velocidade”. Perfeito! É exatamente isso. E podemos levar isso para a vida. Uma criança não passa do colo para a corrida. Ela começa engatinhando, levanta se segurando nos móveis, depois dá passos curtos e cai, depois dá passos longos e cai, depois não precisa se segurar mais. E só depois de algum tempo é que ela corre. Essa é a ideia do PROCESSO, o qual eu estava sabotando.

Assimilado isso, comecei a mudar minha postura dentro da piscina e comecei a perceber melhora exponencial nos treinos. E, como compromisso de vida, não o de fazer perfeito, mas o de procurar masterizar tudo que é possível, eu continuava observando atentamente outras pessoas mais experientes nadando, e não tinha vergonha de perguntar coisas bobas ao colega de treino do lado. Às vezes as pessoas têm vergonha de mostrar que não sabem de algo, ficando com receio de perguntar. Dane-se. Se o cara que eu perguntei alguma coisa pensou que eu era um idiota por não saber nadar perfeitamente mesmo depois de “velho”, o problema é dele. Esse pensamento dele não mudou em nada minha vida. O que mudaria seria o fato de eu não perguntar, porque dessa forma eu nunca cresceria. Além disso, observava vídeos e imagens da técnica na internet.

Mas, tendo consciência de que eu ainda precisava melhorar MUITO, pesquisei pela internet e encontrei um capítulo de livro muito interessante que falava da biomecânica da natação, envolvendo posturas corretas e incorretas que aumentam ou diminuem o atrito na água, além de correlacionar as leis de Newton com o desempenho do nado. Perfeito! E era exatamente isso que estava bloqueando o meu progresso, essas posturas inadequadas que comprometiam o meu deslocamento na água.

Nessa época eu tive um mês para treinar o nado. O objetivo era cumprir 50 metros em 1 minuto. No dia da prova, fiz essa distância em 58 segundos. Quase! Mas lembram de Paulo Coelho, de que a meta é mais importante que a velocidade? E é com esse pensamento que eu retorno aos treinos para uma nova prova física em junho. O importante não é apenas a velocidade na qual você cumpre o objetivo. A velocidade deve ser consequência do quanto você QUALIFICA o processo. Se você investe no processo (período que está entre o início e o fim), você obviamente ganha velocidade. E era nisso que eu precisava investir e estava sabotando no início dos treinos naquela época.

Esse é apenas um exemplo do quanto o esforço pode se sobrepor ao talento. É claro que uma pessoa que é TALENTOSA e que É ESFORÇADA estará entre os melhores. No entanto, uma pessoa que é APENAS TALENTOSA e não é esforçada, pode facilmente ficar pra trás quando comparada àquele que é ESFORÇADO mas não tem talento nenhum. Nunca serei um excelente nadador, e esse também não será meu objetivo. No entanto, a falta de talento pode ser compensada pelo esforço, pelo trabalho duro, pela resiliência, não só na natação mas em qualquer outro contexto da vida.

Abraço!

Rafael Urquisa Postado por
1 Comentário
23 jan 2018

5 músicas que definem meu ano de 2017

Seria errado julgar 2017 como um grande filho da puta, porque na verdade não foi o ano e sim umas pessoas que transformaram meu ano num grande monte de estrume. Existe cada qualidade de ser humano, que eu tenho medo das pessoas que conheço, porque não tenho a menor ideia de quem elas são no fundo e por isso eu vivo na defensiva. É foda provar isso dia após dia. Em vez de falar sobre algo que nem consigo digerir ainda, resolvi fazer um post com músicas que definem meu último ano, não necessariamente nessa ordem:

A gente se acostuma a sofrer porque engoliu o choro tantas vezes…

“And every time you hurt me, the less that I cry
And every time you leave me, the quicker these tears dry
And every time you walk out, the less I love you
Baby, we don’t stand a chance, it’s sad but it’s true”

Quando tudo ainda era difícil de se acreditar, todos os logs no whatsapp, tudo que foi dito pelas minhas costas, toda a falsidade, todas as mentiras incentivadas, todo o desamor, falta de atenção, falta de carinho. Como puder me pôr numa situação assim?

“Nobody said it was easy
It’s such a shame for us to part
Nobody said it was easy
No one ever said it would be this hard
Oh, take me back to the start”

Sobre as desculpas que nunca ouvi:

“Cuidado que eu mudei de lugar
Algumas certezas
Pra não te magoar
Não tem porquê
Pra ajudar teu analista:
‘Desculpa'”

Depois de digerir e entender que a culpa não foi minha… Apenas foda-se!

“Fuck you (fuck you)
Fuck you very, very much
‘Cause your words don’t translate
And it’s getting quite late
So, please, don’t stay in touch”

Descobrindo meu valor novamente.

“And high up above or down below
When you’re too in love to let it go
But if you never try, you’ll never know
Just what you’re worth”

Certas pessoa só merecem pena. Algumas pessoas têm atitudes tão pequenas e mesquinhas que só conseguiriam conversar sobre essas falsidades com outras pessoas tão pequenas e mesquinhas quanto, por isso certas pessoas se merecem perfeitamente. Eu só tenho a agradecer por estar sem gente desse tipo na minha vida e pela experiência que tive, novamente mais do mesmo: Nunca confiar em ninguém 🙂

Juliana Urquisa Postado por Tags:
3 Comentários
22 jan 2018

Shampoo Minha Lola Minha Vida – Lola Cosméticos

Shampoo Minha Lola Minha Vida - Lola Cosméticos

Comecei a usar esse shampoo quando desisti de procurar os produtos Phytoervas porque não encontrava mais em lugar nenhum! Os produtos da Lola estão em praticamente todas as lojas de cosméticos, inclusive farmácias. Terminei optando por esse shampoo pelo preço e pelo tamanho do pote (500ml). O preço não é muuuito convidativo, nas lojas físicas consigo achar por no mínimo R$ 34,90 aqui em Recife, mas também já cheguei à comprar por R$ 39,00, mas fica sempre nessa média de preços, já na internet achei por R$ 24,90, porém não conheço o site e não sei se é confiável.

Shampoo Minha Lola Minha Vida - Lola Cosméticos

O Shampoo rende horrores e dá pra ser usado diariamente, ideal pra economizar naquele shampoo de tratamento mais caro que usamos 1 vez por semana. Preciso usar no mínimo 2 vezes pra sentir o cabelo limpo de verdade, às vezes até 3. Como ele não possui alguns produtos químicos típicos dos shampoos como parabenos, se encaixa na linha LOW POW, não espuma muito e deixa uma sensação de leveza nos fios. A marca Lola é vegana (hoje) e não testa em animais, mas alguns produtos antigos ainda podem ser encontrados nas prateleiras contendo ingredientes de origem animal, por isso é sempre importante conferir os selos no verso da embalagem.

Shampoo Minha Lola Minha Vida - Lola Cosméticos

O cheiro do shampoo é super gostoso e suave, a textura é excelente, bem cremoso, a embalagem econômica com 500ml é uma mão na roda porque dura meses sem eu precisar tá comprando todo mês (acho um saco). Já comprei 2x porque gostei do shampoo, gosto da marca e opto sempre por usar produtos veganos, mas infelizmente não gosto muito do resultado em mim. O meu cabelo é seco e opaco e tenho dificuldade em trocar de produtos, fui tão feliz experimentar alguns produtos Lola, e me decepcionei. Deixa meu cabelo extremamente embaraçado que nem litros de condicionador resolve. É horrível você querer tomar um banho rápido lavando a cabeça e saber que vai ter que passar uns 10 minutos só tentando desembaraçar, ou lavando o cabelo com o shampoo com o maior cuidado pra não embaraçar demais porque sabe que vai dar um trabalhão tirar todos os nós.

Você deve achar que esse resultado estranho comigo deve-se aos vários descoloramentos que fiz ano passado, porém eu usei 1 embalagem inteira antes de descolorir e depois continuei usando após os descoloramentos e o cabelo continuou reagindo dessa forma. Talvez tenha melhores resultados em cabelos oleosos.

Juliana Urquisa Postado por Tags:
2 Comentários
20 jan 2018

As bolsas carnavalescas da Isa ArtBag’s

Época de carnaval, todo mundo preparando as fantasias, ajustando os abadás e caprichando nos acessórios! Principalmente aqui em Recife/Olinda que a cidade pega fogo e todo mundo quer ficar bonito pra paquerar, rs. Passeando pelo instagram um dia desses me deparei com uma lindeza em forma de bolsa no instagram de uma amiga da época da escola! Chocada, fui ver do que se tratava. Eis que a dita cuja está fabricando bolsas artesanalmente e HUMILHANDO na produção das bolsas temáticas pro carnaval. QUE LINDEZAS SÃO ESSAS, DONA MAÍSA?! Tá de parabéns! Já escolhi as minhas favoritas, mas se pudesse compraria toodas!


1. Bolsa de sereia, tá tendo!
2. Segura essa bomba!
3. Que delícia de rosquinha kkk
4. Nem a Frida perde esse carnaval!
5. O clássico homem da meia noite com toda a sua elegância xD
6. Smile feliz e apaixonado

E pra fechar com chave de ouro, a minha preferida, queridinha do meu coração, bolsa de unicórnio! Hahaha! Fala sério se essa coleção não tá deixando qualquer outra no chinelo?! Além das bolsas carnavalescas a Maísa também faz bolsas sociais pro dia a dia, e o melhor: não usa couro animal

E aí, já escolheu a sua? Custam à partir de R$ 40,00 e você pode pedir pelo instagram da Maísa ou da loja, clica nos links abaixo:
@Maisa.AguiarM
@Isa.ArtBags
Também tem facebook e Whatsapp (81) 98681-9158!

Já tá pronto(a) pro carnaval? Vai fantasiado(a) de quê? Me conta tudoo!

Juliana Urquisa Postado por Tags:
1 Comentário
16 jan 2018

Wishlist 2018

Ano novo, dívidas novas? Pra alguns sim, mas pra mim não. Sempre fui extremamente controlada e no último ano isso se intensificou devido às dificuldades financeiras e mudanças na minha vida pessoal. Precisei amadurecer profundamente psicologicamente e financeiramente e apesar de já ser bem consciente com meu dinheiro, me tornei ainda mais crítica quando preciso comprar qualquer coisa.

A wishlist de 2018 é pequena e nem pretendo comprar todos os itens ainda esse ano, mas vale a pena fazer a lista pra eu não me desviar do foco, rs. O iphone é o mais urgente, porque comprei um Samsung A5 quando fui roubada e não consegui me adaptar, não vejo a hora de voltar pro iPhone, dessa vez com SEGURO.

1. Iphone 7.
2. Pendrive de DarthVader.
3. Home Theater.
4. Coturno com salto da Loja reversa.
5. HD externo.
6. GoPro Hero 6.
7. Instax Mini 9. Sonho de consumo!

A maioria dos itens da minha lista você encontra com desconto nas Casas Bahia através do site cupom.org 😉

Além desses bens materiais também quero muito voltar a correr sem furar os treinos e voltar a treinar (nem que seja em casa). Espero montar uma pequena academia com itens pequenos e baratos como anilhas, halteres e caneleiras, muito mais barato do que pagar academia, já que tenho um amplo conhecimento de treino, postura e exercícios (faço musculação há mais de 6 anos).

É sempre bom fazer listas, traçar metas me mantém no ritmo certo e evita que eu desperdice tempo e dinheiro com supérfluos. Eu mantenho o foco no objetivo final. Com vocês também funciona? O que vocês pretendem conquistar esse ano?

Juliana Urquisa Postado por Tags:
2 Comentários
28 nov 2017

Lista de lojas com produtos veganos pra presentar no natal!

Fala, galera! Quanto tempo, heim. Vamos direto ao assunto, rs. O natal tá chegando! Eu amo o natal, árvore de natal, pisca pisca, Papai Noel, mas o que eu mais gosto é de reunir a família e ficar conversando até tarde, comendo e bebendo com quem a gente ama. Inclusive eu adoro distribuir presentes pra toda a família e sempre tento não esquecer ninguém, compro nem que seja uma lembrancinha. Aproveitando o momento vamos pra uma listinha bacana de sites com produtos incríveis e veganos pra dar nesse natal?




Calçados e acessórios

Ahimsa
“Em 2014, apenas 6 meses após a nossa fundação, tomamos um dos nossos maiores passos até agora. Abrimos as portas para a nossa própria fábrica. Era desconfortável saber que nossos produtos estavam sendo feitos por um terceiro que não compartilhava completamente nossas crenças. Até hoje, continua a ser a única fábrica de calçados 100% veganos no mundo.”

Insecta Shoes
“Transformamos em sapatos peças de roupas usadas, além de garrafas de plástico recicladas. Os mais diversos tecidos e estampas daqueles modelitos abandonados viram botas, oxfords, sandálias e slippers veganos, sem nenhum uso de matéria-prima de origem animal.”

Kasulo
“A Kasulo é uma marca 100% brasileira que produz calçados sem origem animal com o cuidado de quem se importa com cada detalhe. As alpargatas são de juta, uma fibra natural. O moletom – carro chefe da coleção – é descarte da indústria têxtil. A sola das sandálias é de pneu reciclado. A linha em macramê é toda feita à mão com fios de algodão.”

Urban Flowers
“A Urban Flowers é uma loja online que produz roupas e sapatos veganos e sustentáveis, por um mundo livre de crueldade e mais consciente.”

Vegano Shoes
“O interesse pela preservação do meio ambiente, unido ao desejo de propagar o veganismo, fez com que o químico iniciasse pesquisas para fabricar produtos alternativos, a partir de novos materiais, sustentáveis e livres de qualquer crueldade animal.”

Tiquita Bacana
“Todos os nossos produtos são desenvolvidos e produzidos por nós, com muito amor e pouca pressa. A matéria prima utilizada é isenta de exploração animal.”

Yellow Factory
“Marca de calçados com opções veganas.”
.
.

Kerai
“A KERAI é uma marca vegana e eco-friendly, produzida no Brasil. Através da inspiração e criatividade, transformamos garrafas de plástico recicladas em moda.”

Heleve
“A Heleve tem apenas uma volta no sol mas já espalhou amor por vários cantos do mundo. Fabricamos sapatos com matéria prima isenta de origem animal (cruelty-free) e feitos a mão. Livre de testes em animais, nossa missão é espalhar Amor e respeito por todos os Seres. Acreditamos no consumo consciente e na regeneração do nosso planeta através de mudanças comportamentais. Aonde quer que você for andar por aí, vá leve! Heleve-Se!”

Zanzar
“Com estilo próprio e moderno a marca Zanzar esbanja exclusividade, design e conforto. Disponibilizamos alpargatas personalizadas, com estampas autorais e veganas. Surgimos no mercado pela grande necessidade de uma loja voltada para o publico que aprecia design, exclusividade e conforto. Todos os produtos são escolhidos criteriosamente por designers atualizados através de constantes pesquisas sobre mercados, consumos e tendências globais.”

Estúdio NhNh
“O ESTÚDIO NHNH (No Head, No Hands) nasceu a partir da criação de uma linha de produtos completamente veganos, ou seja, livres de qualquer matéria-prima de origem animal.”

Lorenzo Brigmann
“Distribuição de calçados Femininos e vendas em Atacado e Varejo”

Loja Reversa
“A Reversa nasceu em 2012, com a proposta de trazer aquelas peças que são tendência lá fora, mas impossíveis de encontrar no Brasil. Uma loja on-line que tem tudo pra compor um visual fora do comum: roupas, acessórios, tintas de cabelo.
Em 2015 estamos nos reinventando, nos tornando uma marca autoral e brasileira. Buscamos trazer a atitude e a transgressão em peças exclusivas, que falem diretamente com o nosso público. Tudo criado e produzido no Brasil, com qualidade e criatividade.”

Pantala
“A Pantala é uma empresa brasileira que produz Calçados Veganos e artesanais. Acreditamos numa sociedade harmônica e livre de exploração.”

Bolsas

Modelaria
“Uma fábrica de moldes funcionais, democráticos, localmente produzidos com qualidade e sem matéria prima animal.”

Calma Monga
“A Calma Monga! é uma marca pernambucana de bolsas, mochilas e acessórios, que trabalha com peças originais e sustentáveis. Todos os produtos são desenvolvidos e produzidos no Recife por uma equipe alegre, que gosta do que faz e acredita no comércio justo, local e consciente. Peças feitas com muito amor, sentimento e sem qualquer matéria-prima de origem animal.”

Maduu
“Somos uma marca vegana que produz acessórios com qualidade e livre de crueldade animal, sempre buscando novas possibilidades e alternativas que agridam menos o nosso planeta.”

La Loba
“Nossas peças são Veganas porque não utilizamos nenhum material de origem animal (couros, peles, etc). Por amor, somos contra qualquer ação que traga dor, abuso, maus tratos, exploração e morte de animais. Entendemos que os animais não devem sofrer ou ser sacrificados em nome do desejo de estar bonita, de se vestir bem, ou de estar “na moda”, pois é perfeitamente possível criar peças lindas, sustentáveis, duráveis e com design inovador, usando materiais alternativos e livres de crueldade. Atualmente, trabalhamos com o sintético, para substituir o couro, e com tecidos à base de algodão e poliéster. Porém, estamos em constante busca por materiais alternativos e de altíssima qualidade.”

Maria Tangerina
“A Maria Tangerina nasceu em 2013, fruto de um projeto pessoal da Priscila Cortez, fundadora da marca. Esse projeto pessoal virou seu TCC, que logo virou a marca. Ainda no começo a Pri fazia tudo sozinha e produzia todas as peças por encomenda. Foi aí que conheceu o trabalho do Design Possível, que a apresentou ao Cardume de Mães e à Economia Solidária.”

Aqui Tem Truques
“T R U Q U E S feito à mão • vegan • produção local +55 84 99960 2468. contato@aquitemtruques.com Enviamos para todo o BR. Natal, RN, Brasil”

Mali
“A Mali é uma marca criada por uma designer neta de um tapeceiro. Sempre correndo dentro da oficina do meu avô, absorvi e herdei o gosto e o talento para trabalhos manuais. Há quase 4 anos produzi minha primeira peça, onde nem em sonhos pensaria ter uma empresa de acessórios. Ela foi feita para suprir a minha necessidade de achar uma bolsa legal e que seguisse características responsáveis. Ainda hoje, é muito difícil achar algum acessório que agregue, design, materiais conscientes e de qualidade.”




Roupas, sapatos, etc

King55
“Somos uma marca de roupas vegana de moda masculina e feminina.”

Será o Benedito?
“SERÁ utiliza lona de caminhão reaproveitada, pneus, pet, juta, couro vegetal e tecidos orgânicos em sua coleção de roupas, acessórios e calçados de forte personalidade, além de peças versáteis de decoração. Os desenhos usados nas peças são originais de artistas conhecidos pelo seu talento e ousadia.”

Tiê Moda Eco
“Produzimos moda masculina e feminina, inclusive acessórios, com um mínimo de impacto ambiental, utilizando materiais reciclados, orgânicos e de alta tecnologia (que se decompõem rapidamente ao serem descartados). Nos comprometemos diariamente com esforços para sermos sustentáveis, adotando práticas como baixa geração de lixo e processos industriais que não usam produtos agressivos ao meio ambiente, assim como o uso racional de recursos tais como água e energia.”

Não Vivo Sem
“Não Vivo Sem é um conjunto de elementos, um conjunto de referências, muitas ideias.
Um querido achado online de roupas e acessórios, feito em São Paulo / Brasil, tudo com muito amor envolvido.”

Nicole Butamante
“Mesmo tendo nascido em São Paulo, a marca Nicole Bustamante- Vegan Goods busca na natureza inspiração para desenvolver um produto rico em textura, palheta de cor, imagem e modelagem; mesclando o elemento humano e genuíno do “produzido a mão” com uma certa praticidade urbana/cosmopolita que nossa vida cotidiana requer.
Somos vegan friendly; ou seja, trabalhamos apenas com matéria prima que não contém nada de origem animal.
Somos uma marca 100% brasileira em todas as etapas. Desde o processo criativo até o produtivo da marca.”

Svetlana
“Vegana de carteirinha, a estilista e designer Mariana Iacia percebeu que faltava na moda brasileira marcas que seguissem a linha cruelty free na fabricação de suas coleções. Assim nasceu a Svetlana, vegana de corpo e alma: ‘não utilizamos couro, camurça, pele e nem seda, e nada testado em animais’ explica a estilista.”

Barauma
“Marca vegana, a Barauma é extremamente preocupada com seus processos e materiais para que tenham um baixo impacto ambiental! Por isso utilizamos impressão certificada e parte da matéria-prima é feita de 100% garrafa pet!”

Outros

Loja Vista-se
“Vende sandália, sapatos, bolsas, carteiras, etc.”

Khaule
“K H A U L E | fiber art • Based in Brazil • vegan • feito à mão e com ❤ em SP por: @grazi_g • compras por DM ou email • ✉ khaule.contato@gmail.com • em breve loja virtual •”

Vegana Box
“A ALIMENTAÇÃO QUE VOCÊ ESCOLHEU, TODOS OS DIAS. O Clube de Assinatura para os amantes e protetores dos animais”

********************************************

Muitas opções, heim! Se mesmo assim ainda não encontrou a loja certa, corre no CUPOMVÁLIDO, confere as promoções e economiza 😉 O cupom válido é um site que reúne vários cupons promocionais (clica aqui pra acessar o cupom da Renner, que é uma loja que eu AMO!) em um só lugar, tudo mais fácil, clean e simples. Vai dar pra presentear todo mundo \o/

Juliana Urquisa Postado por
Comentários
22 set 2017

32 Primaveras

Chegou mais um dia 25 de setembro e mais um ano de vida se passou. Ano este que se tornou um peso e um alívio. Não foi fácil, mas quem cresce e aprende sem passar por dificuldades, não é mesmo? Alguns sonhos foram despedaçados como vidro, em mil pedaços, dando espaço a outros. Eu tenho noção da força que tenho e não me surpreende mais a forma como me reergo e encaro a vida novamente, de pé, cabeça erguida.

Tentei me segurar onde não havia apoio. Fiz das tripas coração por tudo e todos enquanto me ignorava e abria mão de valores, enquanto as expectativas se tornavam cada mais mais distantes… Me anulei. Como não percebi que estava tudo de cabeça pra baixo? Os olhos estavam fechados e o coração virou pedra (de gelo). Cada dia nascia pra eu superar o que ia acontecer de ruim, as decepções. Todos os dias novas formas de ter o coração partido. Nunca imaginei que fosse suportar tanto. As palavras, as conversas no whatsapp, os prints guardados pra ler todos os dias. A ferida precisava ficar aberta. Alguns chamaram de tortura e eu realmente não sei o que eu estava fazendo, mas não queria e não me permiti esquecer, eu precisava lembrar de cada ferida que existia em mim e que ninguém se propôs a curar. Até quanto a gente aguenta sofrer? Eu descobri.

Eu vivi esse ano intensamente. Tudo de bom e de ruim aconteceu, foi incrível em todos os sentidos. Minha família superou tantos obscáculos e eu fiz o possível pra estar presente. Eu superei tudo e me superei, estou feliz com quem sou hoje e com a resolução que cheguei em mais essa reta final, completando mais um ano de vida. No final eu olho pra trás e tenho a consciência tranquila que fiz o melhor pra todos.

Eu sou uma pessoa boa, meu coração é imenso, eu não quero mudar e espero contagiar as pessoas ao meu redor dessa forma. Sei que tive meus baixos nos últimos meses e não fui boa companhia pra muitos, mas contei também com a compreensão e empatia daqueles que me amam.

Eu agradeço muito pelas pessoas que estão, entraram e saíram da minha vida até hoje e principalmente nos últimos tempos. Valeu! Nessa altura da vida as coisas não estão do jeito que eu esperava, mas sim do jeito que devem estar. As coisas acontecem como tem que acontecer. A palavra do meu último ano é Resiliência.

Juliana Urquisa Postado por Tags:
1 Comentário
31 ago 2017

Sobre o “modo-piloto-automático” do desrespeito

PARANDO PRA PENSAR sobre o “modo-piloto-automático” do desrespeito

Era uma vez um homem que estava dirigindo e parou em um semáforo. Nesse instante, uma mulher muito bonita aguardava para cruzar a faixa de pedestres. Com a confiança diretamente proporcional ao valor do bem móvel, o homem baixa seus óculos escuros para olhar melhor “o produto”, dá duas buzinadas e, para completar o flerte, profere um elogio de forma bastante carinhosa: “- Delícia!”. Na cabeça do rapaz, é claro que toda mulher gosta de ouvir e vivenciar essas coisas. Sendo assim, por que não fazê-lo? Receber buzinadas nas ruas, ser chamada de “delícia” ou “gostosa” é algo que valoriza as qualidades daquele “alvo”, pensa o rapaz. Rapidamente, a garota olha para o homem e sorri, aceitando o flerte. Ela vai em direção ao carro e entra. Os dois se cumprimentam, em meio aos 10 segundos restantes de sinal vermelho, e seguem suas vidas. E, claro, foram felizes para sempre.

Era uma vez um motociclista que buzinava para todas as mulheres as quais ele encontrava no caminho. Talvez, pensasse ele, como uma forma de homenagem à beleza feminina. Mas não bastava apenas buzinar, era também importante conferir se a parte de trás era tão agradável quanto a parte da frente. Para isso, ao estilo ” O Exorcista”, o motociclista voltava sua atenção para o exame físico posterior daquele “objeto” mirado anteriormente. Na cabeça desse rapaz, ele também pensa que toda mulher gosta de ouvir e vivenciar essas coisas. Sendo assim, por que não fazê-lo? Receber buzinadas nas ruas, ser “secada” visualmente é algo que valoriza as qualidades daquele “alvo”, pensa o rapaz. Confiante de que essa é uma estratégia autêntica, inteligente, saudável e respeitosa, ele sempre continuou fazendo. Assim, certo dia, encontrou o amor da sua vida, que subiu na garupa de sua motocicleta e seguiram a vida, sendo felizes para sempre. Mas, nesse dia, esse homem tinha apenas um capacete consigo. Como transportar mais uma pessoa, então? Esse, de fato, não era um problema. Afinal de contas, por que se preocupar em respeitar as leis do trânsito se não há respeito nem “às leis do próximo”?

Essas duas histórias podem estar contidas na semana de todos nós. No entanto, retirando a parte do final, em que tudo dá certo, em que as pessoas ficam juntas e são felizes para sempre. Isso não é a realidade! Isso não acontece! Nenhuma mulher gosta disso. E não preciso ser mulher para perceber/sentir isso. Assim como não é preciso ser negro, homossexual ou estar na condição de migrante para perceber o racismo, o preconceito, a xenofobia. É incrível como eu me deparo com isso todos os dias no trânsito. E, quando isso acontece, além de sentir vergonha (muita “vergonha alheia”) e nojo, eu fico me perguntando: “Qual o sentido de o cara fazer isso? Ele acredita mesmo que essa é uma forma bacana de atrair alguém? O que ele espera? De verdade, o que ele espera? Que a mulher ache lindo e fofo um cara escroto e desconhecido buzinando para sua bunda? Que ela olhe pro cara e solte beijinhos? É isso? Se for, tem algo errado!”.

Mas eu acho que esse é o pensamento. Só pode. E, se assim for, há muita idiotice ou muita loucura, ou os dois juntos! Porque pelo mínimo de racionalidade que você tenha, não é difícil concluir que isso é um grande desrespeito. Acho que consegui ser bastante nojento nessas duas histórias. E essa era a intenção. Mas é, infelizmente, um nojo palpável, concreto, real, diário. E, tenho certeza absoluta que 100% das mulheres que lerem isso já passaram por essa situação ou algo muito próximo disso, seja no trânsito ou fora dele.

Mas, calma, eu não estou falando que ninguém pode mais se olhar. Claro que não. São duas coisas totalmente diferentes. É natural que um homem bonito chame a atenção de uma mulher e que uma mulher bonita chame a atenção de um homem. Aliás, é natural que uma pessoa possa chamar a atenção (generalizando toda classificação de gênero), seja pelo sorriso, pelo cabelo, pela simpatia e, claro, também pelo corpo e pela roupa que esteja usando. Mas, calma, eu falei em “corpo e roupa que esteja usando”, mas apenas queria destacar que isso não é convite para estupro ou comentários indelicados. Retomando, é claro que uma mulher bonita me chama a atenção. Isso é inegável. Mas isso não quer dizer que eu precise tocar no corpo dela, que eu precise chamar de “gostosa”, que eu precise ser infiel, que eu precise ficar “secando”, buzinando, e, finalmente, DESRESPEITANDO E INVADINDO SEU ESPAÇO. São coisas totalmente diferentes. E, pra isso, não é preciso que se seja padre ou homossexual, como costumam argumentar. Assim como uma mulher também pode olhar e admirar um homem que passa em seu caminho, sem necessariamente invadir o seu espaço. Isso é natural e direito de qualquer um. No entanto, invadir o espaço do outro é ultrapassar o seu direito e entrar no direito do outro. ESSE É O REAL PROBLEMA.

“- Porra, todas as mulheres que passam aqui na frente esse cara tira onda! Esse bicho é macho mermo!”. É assustador como as pessoas reproduzem esse comportamento e esse desrespeito, no piloto automático mesmo, de forma inconsequente, sem ter consciência de que isso ultrapassa os limites das relações humanas, julgando isso NORMAL e COMUM. Esse é o perigo. Será que a masculinidade ou a virilidade é medida através de quantos assédios você pratica por dia? É óbvio que a resposta é não, mas a ideia desse texto é trazer um desabafo e uma oportunidade para sempre pararmos pra pensar sobre isso.

Forte abraço!

Rafael Urquisa Postado por Tags:
1 Comentário
18 jul 2016

Shampoo Pracaxi & Andiroba Cativa Natureza

Shampoo Pracaxi & Andiroba Cativa Natureza

Esse shampoo da Cativa me dividiu muito, pois eu nunca tinha experimentado um shampoo que não espuma e me frustava quando tinha pressa, rs. A composição é maravilhosa com insumos orgânicos e o perfume é algo que nunca senti na minha vida, uma perfeição Textura cremosa e cor bege transparente. Eu demoro muito pra lavar o cabelo e por isso preciso passar 2 ou 3 vezes shampoo pra lavar bem, e foi isso que me irritou nesse shampoo.

Shampoo Pracaxi & Andiroba Cativa Natureza

Sou uma pessoa prática e vocês já me conhecem, sou pouco vaidosa pra usar esses produtos de beleza muito elaborados ou demorados, portanto esse shampoo não facilitou a minha vida. Eu gostaria de me dar o tempo de um banho gostoso e demorado, mas eu não consigo, sério! Eu tenho ansiedade e tudo na minha vida precisa ser simples e sucinto. Apesar disso, eu amei o perfume e o meu cabelo ficava limpo e disciplinado como não fica com outros shampoos. Não sei se ele pode ser usado como no ou low poo, mas vou deixar a lista de ingredientes no final do post.

Shampoo Pracaxi & Andiroba Cativa Natureza

Eu adorei a textura dos meus cabelos e o cheiro suave, mas duradouro que ele deixa, porém pro meu estilo de vida onde busco coisas práticas e rápidas, ele não foi legal. Na primeira lavagem eu não conseguia espalhar bem e tinha que colocar mais shampoo em cada parte da minha cabeça, já na segunda lavagem eu já conseguia espalhar melhor e sentir a limpeza profunda, as vezes precisava de uma terceira lavagem. Acho que é um produto pra quem tem mais calma, rs.

Shampoo Pracaxi e Andiroba (à venda por R$ 40,00)

Associação de tensoativos suaves e ingredientes orgânicos, como pracaxi, andiroba e extratos naturais de Aloe vera e Erva mate orgânica, promovem limpeza eficaz sem agredir os fios, deixando-os macios e hidratados.

Composição: glyceryl caprylate, *Melaleuca alternifolia (leaf) water, lauryl glucoside, *Pentaclethra macroloba seed oil, *Carapa guainensis oil, glycerin, potassium sorbate , aqua, Aloe Barbadensis (leaf) Extract, dehydroxanthan gum, *Ilex paraguariensis leaf Extract, disodium cocoyl glutamate/sodium cocoyl glutamate, aqua, citric acid, Pogostemon patchouli oil, Cananga Odorata flower oil, Limonene, Linalool e Eugenol. 71,5 % de insumos orgânicos rastreados

Juliana Urquisa Postado por Tags:
3 Comentários
13 jun 2016

E depois disso tudo, como continuar?

13jun2016---australianos-prestam-homenagens-em-sydney-as-vitimas-do-tiroteio-ocorrido-na-florida-eua-o-primeiro-ministro-australiano-malcolm-turnbull(2)
Imagem: Rick Rycroft/AP

Que péssimo dia pra trabalhar, que péssimo dia pra viver, péssimo dia pra ser humana. Como deixar esse sentimento de tristeza e incapacidade de mudar o mundo de lado e simplesmente viver? A minha mente está cheia de pensamentos ruins sobre as pessoas, está cada dia mais difícil manter a fé na humanidade. Não encontro uma saída, não existe mais esperança dentro de mim.

O que aconteceu ontem, o que aconteceu mês passado, o que acontece há anos e diariamente é de me partir em mil pedaços. Eu continuo tentando me juntar notícia após notícia, mas quanto mais o tempo passa menos eu consigo sorrir. A verdade é que lidar com a sociedade vem sendo uma árdua tarefa de uns anos pra cá. Evito conversar, evito pessoas. Infelizmente a maioria das pessoas que convivo não são as pessoas que eu gostaria de ter do meu lado durante a maior parte do meu dia. Infelizmente tenho que conviver com gente machista, homofóbica, etc na maior parte do meu tempo e isso está me destruindo por dentro.

Eu só queria gritar pra todo mundo calar a boca e observar um pouco ao redor, ler uma poesia, estudar um bom livro, abrir a mente e o coração pra esse mundo maravilhoso em que vivemos e que ESTAMOS DESTRUINDO! Como as pessoas são mesquinhas e só pensam em ter mais tempo em ir pro cinema, em ir numa loja comprar o celular mais novo, em ter o carro 0 km… Eu só estou cansada disso tudo e queria sumir agora, sumir pra uma praia deserta e apenas respirar sem nada na minha mente, sem esse sentimento horrível no peito e esse nó na garganta… Não, eu não queria ir sozinha pra lá, eu queria levar todo mundo que se sente como eu, que queria sumir como eu e que se sente como eu em relação às pessoas.

Como continuar sendo fútil depois de tudo isso? Como continuar conversando merda depois de tudo isso? Como continuar olhando nos olhos de pessoas machistas e homofóbicas que TEMOS que conviver diariamente? Alguém me ajuda, porque eu não sei mais 🙁

Juliana Urquisa Postado por Tags:
9 Comentários